Amelinha

Loading...

sexta-feira, 26 de março de 2010

visite meu site




Amelinha
"O Canto da Amelia"

Água e Luz



Vídeo Colírio - Amelinha canta "A ponta do Seixas" 
O PARA 201MENTO

DVD e CD ao vivo da Amelinha já estão prontos, fique atento quanto ao lançamento.



                                                        SHOW NO SESC PINHEIROS
                                                                    DE SÃO PAULO



SAÍDOS DO FORNO, NOVO DVD E CD 
AO VIVO, GRAVADORA "LUA MUSIC"
PRODUZIDO POR THIAGO MARQUES LUIZ.

CD AO VIVO E O TÃO ESPERADO "DVD" COM
17 CANÇÕES E MAIS CANÇÃO BÔNUS
"SOL DE PRIMAVERA" DE BETO GUEDES
E COM PARTICIPAÇÕES 
PRA LÁ DE ESPECIAIS.


ESTE É O SEU 3º SHOW AQUI EM SÃO PAULO EM
MENOS DE 2 ANOS, E NOS FINALMENTE ESTAMOS PODENDO
TER ESTE GRANDE PRIVILÉGIO DE OUVIR E VIAJAR 
AO SOM DA MARAVILHOSA AMELINHA.
OBRIGADO PELO PRESENTE AMELINHA. 

AMELINHA CANTA COM PAULO NETO (DEPENDE)
http://www.youtube.com/watch?v=06vqdnvnGLE

SHOW NO SESC PINHEIROS, NO ULTIMO FIM DE SEMANA DIAS 02 E 03 DE MARÇO, MAIS
UM SHOW MARAVILHOSO DA NOSSA QUERIDA CANTORA E TAMBÉM PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS DE FAGNER, ZECA BALEIRO, TOQUINHO E DO JOVEM CANTOR PERNAMBUCANO PAULO NETO E AINDA OS GRANDES DINO BARIONI E TIAGO MARQUES NOS 
VIOLÕES.

NO PALCO UM PRESENTE MUSICAL 
PARA TODA A PLATEIA

                      Mucuripe - Fagner e Amelinha

                                            http://www.youtube.com/watch?v=WatfyQiCHFw



                       Canteiros - Amelinha, Raimundo Fagner e Zeca Baleiro

http://www.youtube.com/watch?v=bSBE3I9Lc78



ANSIEDADE DOS FÃS POR ESTAR PRÓXIMO,
A TÃO AMADA  CANTORA NA HORA DO AUTÓGRAFO.
COM O CARINHO E A DOÇURA DE SEMPRE ELA 
ACARINHOU A TODOS. 

NO HALL DO BELO TEATRO, DO SESC PINHEIROS.

A PLATÉIA COMOVIDA PELAS CANÇÕES ETERNIZADAS
NUMA DAS MAIS BELAS VOZES DA  
MUSICA POPULAR BRASILEIRA.

AMELINHA ESTÁ REALMENTE DE VOLTA E COM
UM REPERTÓRIO MARAVILHOSO E DE EXTREMO BOM GOSTO
UMA NOITE INESQUECÍVEL.

SHOW 2013 SÃO PAULO

                                                          ARTE DO ARTISTA PLÁSTICO NEWTON AVELINO                                                                         

Geraldo Azevedo e Amelinha celebram a longa amizade com muita
música no "Sarau" - Programa da Rede Globo.

Outubro de 2012

Amelinha conta como começou sua carreira e seu namoro com Zé Ramalho.alho.
Link:
1º Parte
http://globotv.globo.com/globo-news/sarau/t/todos-os-videos/v/geraldo-azevedo-e-amelinha-celebram-a-longa-amizade-com-muita-musica-no-sarau/2163486/

2º Parte
Amelinha - Globo Sarau
http://globotv.globo.com/globo-news/sarau/v/geraldo-azevedo-e-amelinha-cantam-juntos-cancoes-de-vinicius-de-moraes/2175032/


J. BorgesBoiadeiros, xilogravura.

Amelinha - Globo Sarau

http://globotv.globo.com/globo-news/sarau/v/geraldo-azevedo-e-amelinha-cantam-juntos-cancoes-de-vinicius-de-moraes/2175032/


Participação da cantora Amelinha no Cesta de Música, no programa CBN Noite Total, apresentado por Cristina Coghi na rádio CBN. Para ouvir a entrevista na íntegra acesse: www.cbn.com.br no link: cesta de música

http://www.youtube.com/watch?v=DyKNhG8blIY

 Amelinha promove show no programa "Todo Seu" do  Ronnie Von.

http://www.youtube.com/watch?v=_63QdVrlQ2k

Leitura Dinâmica: Cantora Amelinha volta aos palcos.

http://www.youtube.com/watch?v=ZavyvQa2LgM

Momentos magios de Amelinha em shows mais recentes.

http://www.youtube.com/watch?feature=endscreen&NR=1&v=paRHAkfJEqI




Que coisa bonita - Video clip - http://youtu.be/rjpE-VLLNrk
A Cantora Amelinha
Video clipe- Frevo Mulher  http://youtu.be/JA166-5wHJQ

Coletado  do blog - Aquarela Nordestina
O Nordeste visitado pelo seu valor cultural.


Este é um blog não oficial dedicado a grande cantora "Amelinha" que apesar de ser uma diva da "MPB" e uma das vozes mais belas do Brasil, não vem recebendo a divulgação que merece, nas mídias de tv´s e rádios. O grande furo destas mídias de massas e de marias vão com as outras é que mesmo sem divulgação em programas de tv, Amelinha continua   brilhando na internet e é uma das rainhas do you tube. Para comprovar isto é só digitar seu nome no you tube e ver o que acontece. Existe uma quantidade enorme de vídeos clips montados por seus fãs e mesmo discos inteiros em formato de clip e mp3. Uma voz com um timbre tão lindo e cristalino como o dela, fica digitalizado nos corações e mentes de todos para sempre. Basta ouvir a voz maravilhosa da cantora para se apaixonar pelo seu canto.

(Edu César)


OBS: Este "Blog" foi criado em 2011 e temporariamente usa o nome de "Auto Critica"  futuramente pretende usar o titulo de uma das lindas canções de Amelinha.
Pronto, o "Blog" já esta com novo nome (O Canto da Amelia) 

video

video

video


J. BorgesBoiadeiros, xilogravura.
"Amelinha lança DVD"
30-05-2012

Paulo Roberto Pinho - 22 de mai
Resenha : Gravação do DVD
Blog Notas Musicais , do Jornalista Mauro Ferreira :Alguma coisa esteve fora da ordem na gravação do primeiro DVD de Amelinha, captado em show feito pela cantora no Teatro Fecap, em São Paulo (SP), em 16 de maio de 2012. Foi o roteiro originalmente estruturado pela cantora com o produtor Thiago Marques Luiz, mentor da gravação ao vivo do DVD bancado pelo próprio Marques Luiz para ter seu lançamento negociado posteriormente no mercado fonográfico. Para poder atender a solicitação de Toquinho para gravar sua participação no início do show (o artista assumira outro compromisso naquela noite), o roteiro foi alterado - como Amelinha, falante ao extremo, explicou ao público no decorrer do show. Tal alteração provavelmente provocou tensões e insegurança na cantora, visivelmente nervosa ao entrar em cena para entoar as músicas Galos, Noites e Quintais (Belchior, 1977) e Terral (Ednardo, 1973), estrategicamente repetidas ao fim da apresentação, quando a maior parte do público já havia deixado o teatro. Mesmo sem reeditar a magia vista na estreia do show Janelas do Brasil no teatro do Sesc Belenzinho (SP) em janeiro, a gravação ao vivo teve bons momentos que reiteraram o êxito do projeto. Amelinha continua cantando bem. O primeiro bom momento veio após a participação de Toquinho, que tocou violão protocolar em Valsinha (Vinicius de Moraes e Chico Buarque, 1971), reeditando o encontro promovido originalmente no terceiro álbum da cantora, Porta Secreta (1980). Esse momento foi quando Amelinha cantou Ai Quem Me Dera, tema da parceria de Toquinho com Vinicius de Moraes (1913 - 1980), padrinho artístico da cantora. Nesse número, a voz começou a exibir o viço que pareceu escassear nas primeiras músicas. Na sequência, Sol de Primavera (Beto Guedes e Ronaldo Bastos, 1979) iluminou a opção de Amelinha de cantar em tons mais serenos. A (bela) luz vinha também dos refletores orquestrados por Silvestre Junior. Emoldurada por primoroso cenário de Paulo Neto, arquiteto dos sete arbustos que evocam a aridez do sertão nordestino ao mesmo tempo em que remetem ao tom interiorano do repertório cantado por Amelinha no CD Janelas do Brasil ( Joia Moderna, 2011), a cantora errou feio no figurino preto que sugeria inadequada conexão com o universo metaleiro (o vestido floral da estreia era mais adequado). Gostos à parte, Felicidade (Marcelo Jeneci e Chico César, 2010) abriu janela pop e arejou o roteiro seguido por Amelinha com as cordas dos violonistas Dino Barioni (virtuoso, mas por vezes prolixo nos solos) e Emiliano Castro. Cantora e violonistas acertaram o exato tom melancólico de O Silêncio, tema de Zeca Baleiro, convidado de Asa Partida (Fagner e Abel Silva, 1976). Hábil intérprete de obras alheias, Baleiro se ambientou com facilidade no clima denso da música, brilhando especialmente no segundo take (no primeiro, Baleiro tropeçou em algumas palavras da letra - o que empanou um pouco o brilho de sua interpretação). Nessa cantoria, como Amelinha caracteriza o show, a intérprete seguiu Légua Tirana (Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, 1949) com firmeza infelizmente não percebida quando a cantora adentrou os caminhos melódicos e poéticos de Pra Seguir um Violeiro (Amaro Penna, 2011). Surpresa do repertório, o baião Eu no Mundo (Rubens Lisboa, 2011) - que teve o ritmo marcado pelas palmas descompassadas do público em clima de folia de reis - sinalizou a intenção da artista de abordar outros universos e compositores. Na sequência, a entrada de um piano - tocado com precisão por Alex Viana - preparou o clima para uma pungente Ave Maria (Vicente Paiva e Jayme Redondo, 1951), número em que o canto de Amelinha teve feitio de oração. No fim, a participação de Fagner em Depende (parceria do compositor com Abel Silva, lançada em 1977 por Amelinha) e em Flor da Paisagem (Robertinho de Recife e Fausto Nilo, 1977) - esta desabrochada de improviso com a adesão de Zeca Baleiro - reiterou o saldo positivo do show. O DVD pode até vir a resultar excelente se - na edição - forem eliminados os focos de tensão da atribulada gravação ao vivo
Material coletado do "Orkut", publicado por Paulo Roberto Pinho.

















Fonte : /auroradecinema.wordpress.com






Amelinha
Faz Show em São Paulo em Janeiro

Dias 7 e 8 de Janeiro de 2012 show em SP postado por Flávio de Carvalho no Orkut

Flávio de Carvalho show em SP. Senhores, no SESC teremos show da nossa Amelinha:
SESC Belenzinho

Dia(s) 07/01/2012 e 08/01/2012
Sábado, às 21h. Domigo, às 18h.


                                             coletado do "blog" ChildFund Brasil


“Janelas do Brasil” é o primeiro álbum da cantora em 10 anos e marca seu retorno aos palcos. O repertório traz compositores habitualmente gravados pela intérprete, além de autores nunca antes gravados por ela como Alceu Valença, Chico César, Marcelo Jeneci, Zeca Baleiro, Almir Sater e Renato Teixeira. Teatro. Duração: 1h20. Ingressos à venda a partir das 14h, de 23/12, pela rede INGRESSOSESC. 
Obrigado "Flávio", pelas informações.


Amelinha presenteou seus fãs com show inesquecível em São Paulo.

Mulher Nova - Show em São Paulo - Janeiro de 2012 -
Video Clip - http://youtu.be/m1B_Ss4QTGY
 
Légua Tirana - Gonzagão - http://youtu.be/bTbmlmOQU94


Show em São Paulo - Janeiro de 2012 - A ponta do Seixas - Video Clip - http://youtu.be/W-xC9jjnuzc


Frevo Mulher - Show São Paulo Janeiro 2012 - Video Clip - http://youtu.be/jtnT6Yd2cp8

Terral - Show em São Paulo - Janeiro de 2012 - Video Clip -http://youtu.be/OmBa6E688mw


Água e Luz - Show em São Paulo - Jeneiro 2012 - Video Clip - http://youtu.be/JOrZ9FwwGmA


                                                  Fotos coletadas do "Blog" notas musicais.



Amelinha presenteia seus fãs com show inesquecível em São Paulo.
Aguarde novos comentários.


Estamos todos muito gratos ao  DJ Zé Pedro por editar o álbum pela gravadora Joia Moderna e trazer de volta  para todos nos, esta diva da musica brasilheira.


Fique por dentro da agenda da cantora
pelo fã clube no "Orkut" link - http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=1627137
e
Fã clube - link http://www.letras.com.br/fa-clube/amelinha
e
Facebook e Twitter

0uça as musicas da "Amelinha" pelo link
http://letras.terra.com.br/amelinha/


Reveillon 2011  Fortaleza

Show Amelinha/Caetano veloso
A Orquestra Sanfônica se apresenta às 19h30 com a cantora Amelinha. ...  http://www.reveillon2011.com/fortaleza/Já o Réveillon de Fortaleza, no Aterro da Praia de Iracema, vai ter shows da Orquestra Sanfônica com a cantora Amelinha, Caetano Veloso, Biquíni Cavadão

Clip - As velas do mucuripe: http://youtu.be/ykv4Im0R8g8

Video

video

Video Clipe "Frevo Mulher ao vivo" - http://youtu.be/bhsddMgeOtw


Novo CD Janelas do Brasil
2012

Numa luta entre Gregos e Troianos,
o melhor é ouvir a Amelinha.
Novo CD 2012

 Amelinha volta ao disco com 'Janelas do Brasil'

“Uma obra prima”.

Já cotado como o melhor CD do ano.
Eis as 12 músicas cantadas por Amelinha -
Produzido por Barioni

1. Galos, Noites e Quintais (Belchior, 1977)
2. O Silêncio (Zeca Baleiro, 2005)
3. Asa Partida (Fagner e Abel Silva, 1976)
4. Felicidade (Chico César e Marcelo Jeneci, 2010)
5. Terral (Ednardo, 1973)
6. Planície de Prata (Almir Sater e Paulo Simões, 2005)
7. Quando Fugias de mim (Alceu Valença e Emannoel Cavalcanti, 2001)
8. Algum Lugar (Marília Medalha e Vinicius de Moraes, 1972)
9. É Necessário (Geraldo Espíndola, 1978)
10. Ponta do Seixas (Cátia de França, 1980)
11. Olhos Profundos (Renato Teixeira, 1978)
12. Pra Seguir um Violeiro (Amaro Penna, 2011)



video
Texto colhido do Caderno 3


                  Jorge Mautner e Amelinha Bomba de Estrelas

http://www.youtube.com/watch?v=mK7qgmRKq2o

O Diário do Nordeste 
O novo som de Amelinha

Publicado em 20 de novembro de 2011

A volta de Amelinha aos estúdios de gravação deve-se, em grande parte, aos esforços do produtor Thiago Marques Luiz e do DJ Zé Pedro, fãs confessos do trabalho da cearense
Após dez anos sem lançar um álbum solo, a cearense Amelinha desabrocha novamente para a música e aponta novos rumos em sua carreira com o álbum "Janelas do Brasil". O disco chega às lojas de todo o País, hoje

O ´frevo-mulher´ de voz forte e pulsante que tomou o Brasil no final dos anos 1970 chega à primeira década do novo milênio aprontando novos passos, alimentando outras melodias com seu canto de pássaro e harmonizando-se, renovada. Após um hiato de 10 anos sem lançar um disco solo, Amelinha nos brinda com "Janelas do Brasil", incluindo 12 gravações inéditas de canções de parceiros como Belchior, Alceu Valença, Raimundo Fagner e experimentando outros compositores como Zeca Baleiro, Almir Sater e Marcelo Jeneci.

O disco, que chega às lojas neste domingo, é o marco de uma nova fase que Amelinha imposta em sua carreira, mais madura e repleta de projetos. A obra foi gravada em São Paulo (SP), em agosto deste ano, pela gravadora Joia Moderna, do DJ Zé Pedro, com produção de Thiago Marques Luiz, um dos idealizadores da obra.

Sem percussões e com destaque para o canto forte e melodioso de Amelinha, o disco traz uma seleção de canções embaladas pelas cordas de Dino Barioni, compositor e arranjador paulista. O músico assina a direção musical, arranjos e a execução de todos instrumentos de cordas. "Esse disco foi gravado em São Paulo em três noites mágicas em que os violões de Dino Barioni emolduraram o canto vital de Amelinha, que está de volta, dessa vez para sempre se Deus quiser", anuncia o DJ Zé Pedro em texto publicado no encarte do disco.

Fã do trabalho de Amelinha, Thiago conheceu a cantora em 2009, quando produziu o disco "Ataúlfo 100 Anos", em homenagem ao compositor carioca, na qual Amelinha interpreta a valsa "A Você". O convite foi feito após receber o aval do DJ Zé Pedro para lançar um disco da cantora cearense por sua recém criada gravadora. O repertório, escolhido a três mãos por Amelinha, Zé Pedro e Thiago, mescla velhos compositores conhecidos da cantora e outros que ela nunca havia gravado.

Músicas
A textura musical da obra segue a linha dada à gravação de "A Você", na homenagem a Ataúlfo, com arranjos enxutos, sem pompa de orquestra ou banda e primando pelo detalhe, deixando fluir a voz de Amelinha. "Ela canta tão bem quanto há 30 anos. Essa foi a grande alegria", comemora Thiago, sobre o resultado final. O violão de corda de aço é uma constante nas canções, dando um clima aviolado que reforça a aura sertaneja das interpretações de Amelinha, mas com arranjos e músicas urbanizadas, cosmopolitas.

Belchior é o primeiro da relação de memórias afetivas que Amelinha separou. Um de seus clássicos, "Galos, Noites e Quintais" abre o repertório, carregado de simbolismo, evocando os aprendizados da maturidade em contraponto à ingenuidade da infância, versando o refrão "Não sou feliz, mas não sou mudo, hoje eu canto muito mais".

Dos cearenses de sua geração, ela canta ainda "Asa Partida", de Fagner e Abel Silva - em uma versão de arrepiar o espinhaço e encharcar os corações doídos - e "Terral", um verdadeiro hino de Fortaleza, composto por Ednardo, e que virou sinônimo do Pessoal do Ceará.

Entre os estreantes na voz de Amelinha estão Marcelo Jeneci e Chico César, que assinam a quarta faixa com a música "Felicidade", e Zeca Baleiro, com "O Silêncio", obra-prima bem ao estilo do cancioneiro cearense. Amelinha traça ainda uma ponte com o canto do sertão caipira, com "Planície de Prata", de Almir Sater e Paulo Simões; e "Olhos Profundos", de Renato Teixeira.

O repertório de memórias da cantora é novamente visitado em "De Algum Lugar". Gravada originalmente no LP "Encontro e Desencontro", de 1972, a música é fruto da parceria do poeta Vinicius de Morais com a cantora Marília Medalha, dupla que Amelinha conviveu antes mesmo de se lançar como profissional, em meados daquela década. Desta convivência ela tirou forças para dar o pontapé inicial na carreira.

O disco tem ainda músicas de Alceu Valença e Emmanoel Cavalcanti ("Quando Fugias de Mim"), Geraldo Espíndola ("É Necessário") e da potiguar Cátia de França ("Ponta do Seixas"), velha conhecida de Amelinha. Uma das gratas surpresa é ainda a música final, do cearense Amaro Penna. Única completamente inédita do disco, "Para Seguir um Violeiro" faz uma ode a cantoria de viola e lança luzes sobre o caminho de Amelinha que, mais que nunca, hoje sabe: "Pra seguir um violeiro/É preciso liberdade/Ter a mente sem fronteiras/Cantar sertão e cidade/ Cruzar rio, serra e mares/Atravessa a idade".

A Joia Moderna trabalha com uma tiragem inicial limitada à mil cópias, o que dá a imaginar que rapidamente terá a sua primeira prensagem esgotada. O lançamento oficial será em janeiro de 2012 em São Paulo. A data e o local do show ainda não estão confirmados.

REPÓRTER : FÁBIO MARQUES
                                         Video clip - Água e Luz - (Programa de TV)
                                               http://youtu.be/HU8H2LOADZ0

Video Clipe - Ednardo, Belchior e Amelinha
A Cantora Amelinha
(No coito das Araras) - Kátia de França 

http://www.letras.com.br/fa-clube/amelinha

Amélia Claudia Garcia Colares deixou o Ceará em 1970 para estudar comunicação em São Paulo. A carreira de cantora começou de maneira amadora, participando de shows do amigo e conterrâneo Fagner. Em 1974, decidida a seguir na música, passou a aparecer em programas de TV. No ano seguinte, fez uma temporada em Punta del Leste, acompanhando Toquinho e Vinicius de Moraes, quando o Poetinha compôs para ela Ah! Quem me Dera. Ao lançar o disco Flor da Paisagem (1977), produzido porFagner, começou a ser apontada como a revelação nordestina ou "a Gal Costa do Ceará". Com o segundo trabalho, Frevo Mulher (1979), recebeu disco de ouro. Mas a consagração veio mesmo no ano seguinte, quando viu o Maracanãzinho acompanhá-la em Foi Deus Que Fez Você, durante o MPB-80, festival promovido pela Rede Globo. A composição de Luiz Ramalho classificou-se em segundo lugar, vendeu mais de um milhão de compactos e foi a primeira música a alcançar o primeiro lugar entre as mais executadas tanto nas faixas de FM quanto de AM. O tema de abertura da série Lampião e Maria Bonita (Rede Globo), Mulher Nova, Bonita e Carinhosa Faz o Homem Gemer sem Sentir Dor, fez Amelinha estourar novamente em 1982. O disco homônimo ficou mais de 30 semanas entre os 50 LPs mais vendidos do ano. Em 1984, a cantora entrou em nova fase. Separada do marido Zé Ramalho, que produziu três dos seus primeiros cinco discos e compôs muitos de seus sucessos, ela entregou sua voz à produção de Mariozinho Rocha e ao acompanhamento instrumental do Roupa Nova, que imprimiu algo de pop em seu trabalho. Foi o início de uma remodelação que culminou com o show 1989, Saudades da Amélia, em que deixou os frevos e baiões de lado para um repertório com músicas de Tom Jobim,Caetano Veloso e Chico Buarque. Após sete anos sem gravar, em 1994, aderiu ao forró, relembrando clássicos como Pisa na Fulô e A Vida do Viajante. Em 1999, fez uma turnê pelo país com inéditas de seu novo 
disco, Só com Você, e sucessos como Foi Deus que Fez Você.


Video Clip - Foi Deus
Carreira
(Dia Branco) - Video Clip - http://youtu.be/ZwiWMIE8zGc
Iniciou a carreira na década de 1970 ao lado de outros cantores cearenses como FagnerBelchior e Ednardo, o grupo ficou conhecido no meio artístico como o pessoal do Ceará. Partiu de sua terra natal, no ano de 1970, para cursar Comunicação na cidade de São Paulo. Cantando inicialmente como amadora, Amelinha participou de shows do cantor e compositor cearense Fagner, de quem é amiga.



A partir do ano de 1974, inicia sua carreira profissional na música, se apresentando em programas televisivos. Em 1975, viaja para Punta del Este, no Uruguai, na companhia de Vinícius de Morais e Toquinho.
Dois anos depois, Amelinha lança o disco "Flor da Paisagem", sob produção de Fagner, e foi apontada como cantora revelação da MPB. Em 1979, ganha o disco de ouro com o lançamento do LP "Frevo Mulher". Mas foi em 1980 que Amelinha foi consagrada como grande intérprete da música popular brasileira, com a canção "Foi Deus que fez você", composta por Luiz Ramalho, no festival MPB 80, da Rede Globo. A canção foi classificada em 2º lugar, e vendeu mais de um milhão de discos compactos, alcançando o 1º lugar nas paradas das rádios FM e AM.



Em 1980 ganhou o 2° prêmio do Festival da Rede Globo (MPB-80) com a música "Foi Deus que fez você". Consagrou-se em 1982 cantando o tema "Mulher Nova, Bonita e Carinhosa Faz o Homem Gemer sem Sentir Dor". Nessa época já possuia diversas gravações e alguns discos produzidos por Zé Ramalho.
                                                                                              Tolo na Colina - versão Zé Ramalho
                                                                                              Video Clip
                                                                                              http://youtu.be/SDYSoPTAUzo
Em 1982, interpreta a canção tema da minissérie "Lampião e Maria Bonita", exibida na Rede Globo, intitulada "Mulher nova, bonita e carinhosa, faz o homem gemer sem sentir dor", e o disco homônimo ficou entre os 50 mais vendidos do ano de 1982. "Romance da lua, lua" é uma tradução de um poema de Garcia Lorca em Romanceiro Cigano (no original em espanholRomancero Gitano).



Pelo Vinho e Pelo Pão - Zé Ramalho com Amelinha - Video clip - http://youtu.be/U4yWTLovLvM

Confira entrevista com Amelinha, programa Antonio Marques - Podcast http://www.podcast1.com.br/programas.php?codigo_canal=5409&numero_programa=2


Trab. Edu César

Bomba de Eatrelas - Jorge Mautner
video clip - http://youtu.be/mK7qgmRKq2o

CD a casa do forró

(Pavão Misterioso) - Video Ednardo/Amelinha/Belchior - http://youtu.be/ZE5P2s5ER2k

Trab. Edu César

Fiel ao seu estilo marcante Amelinha, sempre prestigia compositores da musica nordestina.

Foi casada com o cantor e compositor Zé Ramalho.



Crítica de Tárik de Souza - Jornal da Tarde

  • Discografia
          Flor da paisagem1977
             


                1978 — Frevo mulher


               

              1980 — Porta secreta
             
             1982 — Mulher nova, bonita e carinhosa.
             
              1983 — Romance da lua, lua
             
              1984 — Água e luz
             
             1985 — Caminho do sol
             1987 — Amelinha
            
              1994 — Só forró
             
             1996 — Frutamadura
             
              1998 — Amelinha
              
                2001 — Vento, forró e folia
               
                2002 — Ednardo - Amelinha - Belchior - Pessoal do Ceará  
                


                                                                CD - Janelas do Brasil - 2012
      CD ao vivo "Janelas do Brasil".
      2013
      DVD ao vivo show "Janelas do Brasil"

      2013

      • Participações em outros discos.


            
            
            
           
            

                                                                                                  
            
            
      • Coletaneas 
                               
                    
                    
                    
                
                
                  
                  
                  
                  
                    


                   





          • Amelinha (Amélia Claudia Garcia Colares)
          • Nascida em Fortleza (CE) em 21/07/1950
            A cantora cearense lançou o primeiro disco em 1977, Flor da Paisagem, produzido pelo conterrâneo Raimundo Fagner, o mesmo que a incentivava a cantar em seus primeiros shows e posteriormente a deixar o Ceará ainda no início dos anos setenta. Mudou-se para São Paulo para cursar uma faculdade de comunicação.


            De voz forte e afinada, em 1975 o jornalista Tárik de Souza a chamou de "a Gal Costa dos cearenses".


            Entre os seus melhores trabalhos estão os disco 'Frevo Mulher' lançado em 1978, com as músicas “Dia branco” (de Geraldo Azevedo e Rocha), “Que me venha esse homem“ (de David Tygel e Bruna Lombardi), “Coito da Araras” (de Cátia de França) “Santa Tereza” (de Fagner e Abel Silva) com as participações do próprio Fagner e de Geraldo Azevedo.


            Em 1980, a Rede Globo voltou a utilizar a fórmula dos festivais de música realizando o MBP 80. Foi muito bom para Amelinha que ficou com o segundo lugar do festival interpretando “Foi Deus quem fez você”, de Luiz Ramalho. A música acabou sendo a mais executada nas emissoras de todo o País e o compacto (formato da época) vendeu mais de um milhão de unidades.






            Entre muitas músicas interpretadas por Amelinha estão os sucessos “Gemedeira” (de Robertinho de Recife), “Flor da paisagem” (Robertinho de Recife e Fausto Nilo), “Tolo na colina” (versão de Zé Ramalho para “The fool on the hill”, de Lennon e McCartney) e “Felicidade” (de Gonzaguinha).



            Mais tarde, em 1982, Amelinha volta aos primeiros lugares das paradas, cantando o tema de abertura da série global Lampião e Maria Bonita, “Mulher nova, bonita e carinhosa faz o homem gemer sem sentir dor”. Permaneceu mais de 30 semanas, entre os 50 LPs mais vendidos daquele ano.

            Em 1984, mudanças na vida pessoal e profissional. Separada do marido e seu principal produtor Zé Ramalho, passou a trabalhar com produção de Mariozinho Rocha, acompanhada pela galera do Roupa Nova.


            Retorna à cena somente em 1994, gravando uma coletânea com os mais famosos momentos do forró. Em 1999, realiza uma turnê por todo o Brasil, interpretando canções inéditas, ao lado dos antigos sucessos.


            “Vá jandaiazinha, abra as asas, alce vôo, voe bem alto e cante tudo por aí afora, porque você canta lindo. E já que eu estou dando Bandeira, se a estrela da manhã cantasse, aquela que o poeta reservou só para si, num poema tão casto, seria como você, com este timbre puro e cristalino de menina fazendo roda, que quando canta, enternece a alma da gente e refrigera o ar em torno”.
             
            Este carinhoso vaticínio foi dirigido pelo poetinha Vinícius de Moraes à cantora e compositora cearense Amelinha, no verão de 1975, na praia de Itapuã, em Salvador, na Bahia. 


            A cantora Amelinha foi lançada no ano de 1979, pelo selo Epic, que pertencia a gravadora CBS, cujo produtor era seu amigo Raimundo Fagner, lançando na mesma data talentos como Robertinho do Recife, Petrucio Maia, Zé Ramalho, dentre tantos outros grandes nomes daquela época



            No estudio com Gilberto Gil (Disco "Romance da Lua"
            "Com água e luz", disco que traz composições de Gilberto Gil, Alceu Valença, Zé Ramalho, Jaguar e Lula de Queiroz. As faixas com melhores possibilidades, no nosso entender, embora o LP todo seja muito bom, são "A Gia", música com a qual Amelinha praticamente se lançou na carreira (agora regravada) e a que dá título ao disco, de autoria de Tavito e Ricardo Magno.





            Amelinha foi a primeira cantora a vender mais de um milhão de cópias de um mesmo compacto (Foi Deus Quem Fez Você






            'Mulher Nova, Bonita e Carinhosa Faz o Homem Gemer sem Sentir Dor', tema de abertura da série "Lampião e Maria Bonita", da Rede Globo, em 1982, levou Amelinha ao sucesso novamente

            Lua Semente - Video Clip


            Em 1980, o Maracanãzinho acompanhou Amelinha em "Foi Deus Que Fez Você", durante o MPB-80, festival promovido pela Rede Globo. A composição de Luiz Ramalho classificou-se em segundo lugar, vendeu mais de um milhão de compactos e foi a primeira música a alcançar o primeiro lugar entre as mais executadas tanto nas faixas de FM quanto de AM.



            A cantora fez uma temporada em Punta del Leste, acompanhando Toquinho e Vinicius de Moraes, quando o Poetinha compôs para ela Ah! Quem me Dera.




            Com Toquinho, Amelinha gravou a belíssima "Valsinha" composição de Chico Buarque, que esta no disco "Porta Secreta". 
             João Ramalho

            Ele é filho nada mais nada menos do cantor e compositor Zé Ramalho com a grande cantora Amelinha. Só por essa herança, já podemos dizer que esse jovem artista tem uma carreira promissora e sem dúvida nenhuma, poderá figurar, em breve, num lugar de destaque do cenário musical brasileiro. Estamos falando de João Ramalho, que a cada dia que passa está aprimorando ainda mais seus dotes musicais. Nascido em Fortaleza-CE e atualmente morando em Niterói-RJ, João parte para uma carreira solo que tem tudo pra dar certo, já que suas composições poéticas e mensageiras se assemelham   muito com as de de seu pai. Isso sem falar em sua voz potente e cintilante como de Amelinha.

            João do Vale
            Xotes, baiões, forrós peneirados, galopes e arrasta-pés são os ritmos que Amelinha vem promovendo nos seus shows de forró. Em 1993 lançou o CD “Só Forró”, pela Polygram, homenageando seu compadre João do Vale com as músicas “Pisa na Fulô”, “O Cheiro da Carolina” e “Peba na Pimenta”, como também ao mestre Luiz Gonzaga, com a música “A Vida do Viajante”.








            ROBERTINHO DE RECIFE
            Nascido em Recife/Pernambuco, Produtor, Compositor, Instrumentista e Arranjador, com discos próprios, participou como músico de brilhantes interpretações com sua guitarra e violões, entre o final dos 70 e início dos 80 de antológicos discos e shows do Pessoal do Ceará, - "O Azul e o Encarnado" de Ednardo, vários discos e shows de Fagner, disco "Flor da Paisagem" de Amelinha, "Massafeira"- disco duplo coletivo inter-gerações do Pessoal do Ceará, entre outros de sua importante participação na música brasileira. Entre os discos produzidos detacam-se o encontro de Elba Ramalho, Alceu Valença, Zé Ramalho, Geraldo Azevedo, incluso discos solos dos mesmos, realizando este encontro de Ednardo, Amelinha, Belchior.


            Em 1996, Amelinha grava um outro CD de forró com a Sony, abordando o forró estilizado das bandas cearenses, estimulada pelo encontro com esse pessoal quando de suas andanças pelo nordeste.


            Video Clipe - Mulher Nova http://youtu.be/cq-VuCr1Q5k

            Nem é à toa que pra escrever a epopéia feminina brasileira, dois poetas populares, Zé Ramalho e Otacílio Batista, compuseram num só fôlego “Mulher nova, bonita e carinhosa”. Ressalte-se que esta canção épica brasileira, à luz também dos maiores poemas épicos universais, recebeu a melhor interpretação noutra mulher cantora, Amelinha, quem tão bem comunica por meio desses versos a maior síntese duma 
            gigantesca civilização brasileira e ocidental.

                         Trechos de algumas canções do repertorio da Amelinha
                                 Encontre mais detalhes no link abaixo.
                         htp//Amelinha%20%20%20Letras.mus.br%20(105%20músicas).htm

                                                                                                                                    
            Composição: (Zé Ramalho)
                                                                          (Frevo Mulher)

                                                            Quantos aqui ouvem os olhos eram de fé
            Foi Deus que fez o vento
            Que sopra os teus cabelos
            Foi Deus que fez o orvalho
            Que molha o teu olhar
            Teu olhar!...


            Quantos aqui ouvem os olhos eram de fé
            Quantos elementos amam aquela mulher
            Quantos homens eram inverno e outros verão
            Outonos caindo secos no solo da minha mão
            Gemeram entre cabeças a ponta do esporão
            A folha do não me toque e o medo da solidão
            Veneno meu companheiro desatado cantador
            E desemboca no primeiro açude do meu amor
            É quando o tempo sacode a cabeleira
            A trança toda vermelha
            Um olho cego vagueia
            Procurando por um 

            Composição: Zé Ramalho / Frederico Garcia Lorca


            Sobre à frágua
            Veio a lua,
            Com seus babados de renda.
            O menino mira, mira.
            O menino a está mirando.
            No ar súbito, comovido
            A lua move seus braços
            E mostra, lúbrica e puro,
            Seios de duro estanho.
            Foge, lua, lua, lua.
            Foge, lua, lua, lua.
            Foge, lua, lua, lua.

            (Foge Lua)
            Foge lua, lua, luaaaa!
            E dentro da frágua choram,
            Dando gritos os ciganos.
            O ar da noite vela, vela.
            O ar da noite a está velando.

            Composição: (Zé Ramalho)
                                                                         (Galope  Rasante)
                                          Video Clip - http://youtu.be/RgQMQOhNnP0


            A sombra que me move também me ilumina
            Me leve nos cabelos, me lave na piscina
            De cerda ponto claro, cometa que cai no mar
            De cada cor diferente que tente me clarear
            É noite que vai chegar, é claro, é de manhã, é moça e anciã
            O pelo do cavalo, o vento pela crina
            O hábito no olho, veneno lamparina
            Debaixo de sete quedas, querendo me levantar
            Debaixo do teu cabelo, a fonte de se banhar
            É ouro que vai pingar na prata do camelô, é noite do meu amor
            É noite que vai chegar, é claro, é de manhã, é moça e anciã


            Composição: Herman Torres/Salgado Maranhão
            Venha da flora
            E do seio da rua
            Trago nas veias planos e futuro
            Trago nos olhos
            O choro da lua

            A palo seco - Belchior

            Composição: Fagner

            (Pobre Bichinho)
            Video Clip
             http://youtu.be/W5PzqoArE4Q

            Sem querer fui entrando num desespero
            De te amar feito um louco de corpo adentro
            Mendigando o teu beijo a todo momento
            E fazendo de mim mesmo um só tormento
            Como a lua que brilha no firmamento
            Como o sol que aquece o meu caminho
            Como a noite que chora do meu lamento
            Sou mais um que desperta longe do ninho
            Meu caminho é deserto e tenebroso
            Meu cavalo alazão só me faz carinho
            Quando durmo ou me perco no pensamento
            Ele fica chorando
            Pobre bichinho...

                                          (Sertão da Lua) - Video clip 
                                          http://youtu.be/0fpMRzy-2VU
            Composição: Paulo machado

                                                                   (Dez Mil Dias)
                                                  Video clip - http://youtu.be/8893tdeMvBQ
                                                            Vou me lembrando agora
                                                              Dos dias que eu já vivi
                                                     Mais de dez mil dias vão indo embora
                                                          Ai, é natural eu estar assim
                                                           Sonhei de mais, nem percebi
                                                              Que esse tempo passa
                                                                E a gente nem nota
                                                              Mas não, eu não quero
                                                                  Viver me iludindo
                                                              Enfrento meu medo
                                                                Pra vida ir seguindo
                                                             E tudo que tenho a fazer
                                                               É não deixar de viver
                                                     Quando o caminho se abrir eu vou

            Composição: Otacílio Batista / Zé RamalhoComposição: Elomar Figueira Mello

                                                                                (Mulher Nova)
                                                                Video Clip (cenas do filme Tróia)
                                                                   http://youtu.be/cq-VuCr1Q5k

                                                                A mulher tem na face dois brilhantes
                                                                Condutores fiéis do seu destino.
                                                                Quem não ama o sorriso feminino
                                                                Desconhece a poesia de Cervantes.


            (Que me venha esse homem) - Bruna Lombardi
            Video clip - http://youtu.be/SsMW-hS4dQg

            Composição: Robertinho de Recife / Fausto Nilo


            (Flor da Paisagem)
            Teus "zói" a flor da paisagem
            Sereno fim da viagem
            Teus "zoi" é a cor da beleza
            Sorriso da natureza
            Azul de prata meu litoral
            Dois brincos de pedra rara
            Riacho de água clara
            Roupa com cheiro de mala
            "Zoinho" assim são mais belos
            Que renda branca
            Que renda branca
            Que renda branca na sala
            Quem vê não enxerga a praia
            Nós num lençol
            Nós num lençol
            Nós num lençol de cambraia
            Teus"zoi" no fim da vereda
            Amor de papel de seda
            Teus "zoi" clareia o roçado
            Reluz teu cordão colado

            Composição: Ednardo/Brandão
            (A cal mar-se)
                                                                   A cal mar-se é questão de ar
                                                                    Cenar-se com a mão de ar
                                                                      Cordar no clarão da al-
                                                                        Vorada de cisão a
                                                                     Pressada de antemão


            Composição: Luís Ramalho
            (Santa Fé)
            Santa Fé
            Ainda estou aqui
            Dormindo noutras terras
            A digital do tempo
            Marcou o meu silêncio
            Mas não te esqueci
            A chave do meu peito
            Ainda está contigo
            E os versos que escrevi


            Composição: Elomar Figueira Mello

            Composição: Elomar Figueira Mello

            (Seresta sertaneja)

            Nos raios de luz de um beijo
            Puro me estremeço
            E eis-me a navegar
            Por celúrias regiões onde
            Ao malvado e ao impuro
            Não é dado entrar
            Tresloucado cavaleiro
            Andante a vasculhar espaços
            De extintos céus
            Num confronto derradeiro
            Vence prometeu
            Anjo do mal
            O mais cruel
            Acusador de meus irmãos
            Nestes mundos dissipados
            Magas entidades dotam
            O corpo meu
            De poderes encantados
            Mágicos sentidos
            Na razão dos céus
            Pois cindir o espaço
            E o tempo
            Vencer as tentações rasteiras
            Do instinto animal
            Só é dado a quem vê
            No amor o úniAtravés de infindas sendas
            Vias estelares num cordel de luz
                                                                Bomba de Eatrelas - Jorge Mautner
                                                                video clip - http://youtu.be/mK7qgmRKq2o
            Trago atado ao umbigo ainda
            Pois não transmudei-me
            Ao reino dos cristais
            Apois Deus acorrentou os sábios
            Na prisão escura das três dimensões
            E escravizados desde então
            A serviço dos maus
            Vive a mentir
            Vive a enganar
            A iludir os corações
            Visitante das estrelas
            Hóspede celeste, visões ancestrais
            Me torturam pois ao vê-las
            Quebro o encanto e torno
            Ao mundo dos meus pais
            A minha origem planetária
            Enfrentar a mansão da morte
            Do pranto e da dor
            Donzela feche esta janela
            E não me tentes mais.
                                                     O Luar - Gilberto Gil/Amelinha - video clip
                                                               http://youtu.be/0fpMRzy-2VU
            Composição: Zé Ramalho/Zé Neumanne

            (Romance da Lua)
            Lua plantada da terra
            Tem doce de cana
            Vive no verde da serra
            Semente tirana
            Lua banhada de sangue
            Não foge da morte
            Traça na lama do mangue
            A vida e a sorte
            Lua soprada no vento
            É gado no pasto
            Some no sol ao relento
            O céu é tão vasto
            Lua queimada na chama
            Não guarda segredo
            Beijo de lua na cama
            Cogela meu medo

                                                                       A Ponta do Seixas
            Ponta dos seixas

            Cátia de França



            Me mirando
            no fundo dos teus olhos
            vou trilhando
            o caminho que deus me deu
            no balanço
            de uma rede no quintal
            com o vento
            no rosto, nas palhas do coqueiral
            Esse verde que chega a doer
            das águas de Tambaú
            se voce me deixa, eu me arretiro
            não brigo com tigo
            bem longe irei chorar, morar
            na ponta dos Seixas
            Com o amanhecer
            a Ponta do cabo branco
            em ouro se torna
            como posso esquecer
            suas areias em prata
            o cheiro do mar
            o peixe comprado na hora
            o barulho das ondas
            e o riso da Dora lá atrás
            um dia vou voltar
            um dia vou voltar
            um dia vou voltar

            Depende: Fagner

                                        Explosão do sucesso de "Frevo Mulher"
            Composição: Caio Sílvio

            (Prais de outro Mar)
            Estar com você me faz despertar
            Praias desertas, jandaias, noites de luar
            Bronze na pele a me enfeitiçar
            Te vejo toda molhada
            Em águas de outro mar
            Mar dos desejos do corpo, a flutuar
            Nessas paisagens morenas e tontas de luar
            Mares do sul, Tahiti, Paracuru
            Essas paisagens morenas são feitas para amar
            Tonto de amor vou te deixar
            No verão eu volto a te encontrar
            Mais uma vez estar com você
            Tonto de amor.
            Pelo Vinho e Pelo Pão - Zé Ramalho com Amelinha

            Composição: Francisco Casaverde/Fausto Nilo/Reinaldo Arias
                                        (Você não sabe Amar)
                                        Você não sabe amar
                                        E até planeja
                                        Solidões pra minha vida
                                        Deseja e pede mais
                                        Mas nem sabe
                                        Qual desejo me fascina
                                        Não sabe gostar de mim


            Composição: Moraes Moreira/Fausto Nilo
            (Alem Daquilo)
            Clip - http://youtu.be/IdYk3jE-NTU

            Além daquilo que os amantes tem de dor
            Só o silêncio, um belo grito de amor
            Somente a noite faz a luz ser tão brilhante
            Um olhar negro um diamante
            Oh não somente o brilho dos teus olhos tem valor...
            Somente um brilho e a minha boca arde em teu nome
            Além daquilo que os amantes tem de amor
            Isso ou aquilo... eu tenho amor... ou tenho medo
            E o meu segredo ficou na voz do cantor


            Amar quem eu ja amei
            video clip - http://youtu.be/RcIYz_TRNU0

            Seu moço eu venho de longe não sei onde vou chegar
            Não tenho medo de seguir, mas tenho medo de voltar
            Plantar, plantar porque homem sou
            Plantar, colher para quem não plantou
            Amar, amar quem nunca me amou
            Ser mais escravo do que hoje sou

            Composição: Moraes Moreira/Fausto Nilo
            (Pedaço da Canção)
            http://youtu.be/idpVhCbZa6U
            Que uma canção pelo céu levaria
            No véu da cidade na melhor sintonia
            Todo o meu coração
            Mas as frases que eu grito
            Em bocas tão desiguais
            São pedaços daquilo que sinto
            E não canto jamais
            Que eu repito
            Em bocas tão desiguais
            São pedaços daquilo que sinto
            E não canto jamais
            Portanto eu minto
            No tom maior do violão
            Quando pressinto
            Nesse acorde menor a maior emoção
            Que uma canção pelo céu levaria
            No véu da cidade na melhor sintonia
            No rádio do carro uma voz anuncia
            O final da canção.


            Composição: Zé Ramalho
            (São Maravilhas)

            São maravilhas
            Que estão sempre ao meu redor
            Tantas faíscas escondidas nos lençóis
            E as madrugadas ficam todas amarelas
            Todas janelas filtram sempre a luz do sol
            São transparentes, as retinas, os teus olhos
            Tantos amigos, eu consigo me tornar
            E as tuas garras são de bronze, são douradas
            Aveludadas, fincam firmes ao tocar
            No corpo dos amantes
            Ou na mais fina contração do que não houve!
            Na nossa relação
            O que mais fulgurou
            Foi mesmo o importante
            Foi mesmo o importante
            Foi mesmo o importante
            Ou menos importante.


               O coito das araras - Composição : Cátia de França  Link youtube:http://letras.terra.com.br/amelinha/128254/

            Papagaio da asa amarela
            corre e leve esse recado meu pra ela
            minha saudade não se rebate
            vai no grito estrangulado do meu canto.





            No Coito das Araras
            Quem passa por lá não pára
            No Coito das Araras
            Tudo está como sempre foi
            O gado pasta no Berra Boi ê ê ê
            Tudo está como sempre foi ê ê ê

            Composição: Lô Borges/Márcio Borges


            (Alunar)
            Anjos de cristal


            Velharia lá de casa

            Cores, corpos, casa

            Alunar, aterrar

            Assegure o amanhã

            E o sol vertical

            Velha estrela de latão

            Ilusão, ilusão

            Tudo bem com nosso amor

            Alunar aterrar

            Lá em casa minha mãe

            Não parou de pensar

            Ver aquele musical

            Tudo em paz, se eu morrer

            Não me esqueço de vocês


            Composição : Cátia de França
            No Coito das Araras
            É o araçá das almas
            O Zé que cantava
            É o sete casacas
            É a sombra do touro êia
            Peroba baião ê ê ê
            É a sombra do touro êa
            Timborna sertão

            Ainda trago na boca, nos olhos
            A visão da tua imagem
            Despenteada, sorrindo
            Correndo pela rodagem
            Meia distância, meia légua
            Légua e meia á á
            No fim apanhei restou a peia
            Légua e meia á á
            Você correndo pela rodagem
            Légua e meia á á
            Despenteada, sorrindo
            Légua e meia


            Composição: Gileno

            Os milhares de guerrilheiros mentais
            Que sofreram ou piraram nessas décadas fatais
            Transformaram-se em faíscas iluminando a vereda
            Nas longas noites do tempo nas esquinas nacionais
            Os milhares de guerrilheiros vocais
            Que na mansidão do canto nas calçadas e quintais
            Bloquearam o avanço trágico das forças da reação
            Vocalizaram pra sempre bem dentro em meu coração
            Os milhares de guerrilheiros artísticos
            Que na criação introspecta contrabalançaram a dor
            Não faz muito tempo ainda não sentiam esperança
            E buscavam mais beleza em cada canção de amor

            Composição: Djavan
                                   Video Clip - http://youtu.be/Jt34P7FakIE

             
                                                                       Fogo cuspiu, labareda,
                                                                       Flora no mato, vereda,
                                                                Prata boiando nas águas do luar...
                                                                     Clarão da espada afiada,
                                                                  A morte um dia há de chegar..


            Composição: Geraldo Azevedo/Pipo Spera/Eduardo Marquez
            Lucas
            Brinca num vale de fontes e rios
            A flor lambuzou seu sorriso de mel
            Quem queira entrar em sua casa e brincar
            Terá que em seus olhos aprender a olhar
            De vez em quando se encosta a dormir
            E sonha entre andanças de um lavrador
            Que com seu canto convida a bailar
            A dança de um carrossel
            A girar...o céu e o mar
            Se beijam num novo sol
            E a luz transforma em cor
            A árvore, a terra, o fruto, a flor
            Começa o dia e... Lucas


                                                                             Olhos no chão,

                                                           eu vou relendo os meus papéis pela manhã,

                                                            eu vou montando a minha própria solidão,

                                                                      os olhos presos na parede,

                                                                            as minhas mãos

                                                                 vão arrancando em cada corda,

                                                                            uma verdade,

                                                                  essas cordas não mentem,

                                                                            essas cordas

                                                          não sentem o sufocar do tédio e do medo,

                                                                o sufocar do tédio e do medo,

                                                                             o chão ruir

                                                                no peso dessa melodia aflita,

                                                                          no peso dessa...

                                                                               Aflito,

                                                               só me resta juntar os restos,

                                                                              rastejar,

                                                                       juntar os rastros,

                                                                              rastejar,
            Composição: Lula Cortes

             (Bico da Jandaia)
            Nas curvas da praia
            Vejo o sol
            No ar, no mar, no céu
            Enchendo de brilho branco
            A espuma
            E o vento
            Vadeia coqueiral
            A areia, a pedra, o mato
            A concha
            E o bico da jandaia
            Coça a pluma
            Composição: Clodô/Climério/Clésio

            Quando o coração gritar
            Tudo o que a voz não quer dizer
            O tremor sem gesto, pode até representar
            Esse amor renegado.
            Quando alguém quiser chorar
            Sua própria mãe noutra mulher
            O pavor incerto pode até representar
            Esse grito negado.
            Uma rua antiga... vai dar
            Onde a praia pode acontecer
            A cidade dorme e pode até sonhar de novo
            Com o povo acordado.







            Beijo Morte Beijo
            Composição: Pedro Osmar/Jaiel de Assis

            Beijo por beijo não vale a pena dar
            Beijo por beijo não vale a pena dar
            Morte por morte é uma loucura só
            Eu e o amigo que se desespera
            Dentro das cercas da sua prisão
            Sabemos ainda é cedo pra pisar na lama
            E cortar os ferros que prendem a mão
            Mais um vôo longo pode ser tentado
            Enfrentando balas e outras ações
            Feitas de encomenda pra te afastar dos teus
            Que como mendigos andam sem pátria
            Tatuados pelo temor... tatuados pelo temor...
            Anúncios Google
            Encosto de Cabeça com DVD
            Composição: Pedro Osmar/Jaiel de Assis

            (Choro da Lua)

            Composição: Herman Torres/Salgado Maranhão
            Não me agrada o sabor da graviola
            Brilhando de fartura na bandeja
            E dada com a mão suja de esmola
            Venho dos matos
            E do fundo das brenhas
            Trago no peito
            Marcas de espinhos
            Trago no corpo
            Cheiro de gardênias
            Com tanto céu aberto pras rapinas
            Não sei se muita gente ainda percebe
            A voz de um simples galo de campina
            Não sei se ainda se vê a luz da noite
            O diamante longe das vitrines
            Brilhando no interior da mina
            Venha da flora
            E do seio da rua
            Trago nas veias planos e futuro
            Trago nos olhos
            O choro da lua

            Amelinha e Fgner -
                                                                             Frieza - video clip -
                                                                             http://youtu.be/2X7tsryN7W4


                                                              Personalidades presentes no           
                                                               trabalho musical de Amelinha

                                                                           Geraldo Azevedo
                                                                            Alceu Valença
            Cátia de França
                                                                               Zé Ramalho


                                                                                 Fagner


                                                                                Ednardo
                                                                       Robertinho do Recife
                                                                           Nando Cordel
            Belchior

            Vinícius e Toquinho
            Gilberto Gil
            Gonzaguinha
            Gonzagão


            Video Clip Amelinha - http://youtu.be/FOOymkzJQME (Dez mil dias)




            Composição: Fagner
            (Agonia)
            Video clip - http://youtu.be/dGP9eKnrnwM
            Noite de agonia
            Louca maravilha
            Matei todo o meu pavor
            Hoje acordo e vejo
            Que não tenho medo
            Se morresse cedo
            Morrer não faz feio
            Feio faz morrer
            Qualquer hora sem ter um amor
            Só na noite meu drama curou
            Eu vivo calado
            Louco apaixonado
            Mas não fico triste por ser
            Pássaro ferido
            Um louco varrido
            Pois minha tristeza
            Logo se inflama
            Quando você diz
            Que agora tão triste eu sou
            Que comigo mais triste ficou


            Composição: Beto Mello

            (Aprender A Voar)
            Video clip - http://youtu.be/YkQRUfFLJlM


            Olhos no chão,
            Composição: Beto Mello
            eu vou relendo os meus papéis pela manhã,
            eu vou montando a minha própria solidão,
            os olhos presos na parede,
            as minhas mãos
            vão arrancando em cada corda,
            uma verdade,
            essas cordas não mentem,
            essas cordas
            não sentem o sufocar do tédio e do medo,
            o sufocar do tédio e do medo,
            o chão ruir
            no peso dessa melodia aflita,
            no peso dessa...
            Aflito,
            só me resta juntar os restos,
            rastejar,
            juntar os rastros,
            rastejar,
            juntar os restos,
            rastejar,
            juntar os rastros,
            rastejar,
            até aprender, até aprender, até aprender
            a voar...

            Composição: Francisco Casaverde/Fausto Nilo/Reinaldo Arias


            Não espere que eu fale só de estrelas

            Ou do vinho feliz

            Que eu não tomei

            Porque

            Fora de mim

            Não levo além da sombra

            Uma camisa velha

            E dentro do peito

            Um balde de canções

            Uma gota de amor

            No útero de uma abelha

                                                                   Composição: Zé Ramalho
                                                                       (Dez mil canções)
                                                                          Ah! Se vai chover
            Dez mil canções, novas canções
            Minha vida há de multiplicar
            E vai chegar como quem nunca vai acabar
            Vem, amanhã
            É um dia de se namorar
            E tudo tem um fim
            Seja lá qual for
            Mas que seja assim
            Sou o vento que não passa
            E o que nunca acontece
            Sou metade dessa raça
            Sou natureza feliz
            Seja qual for
            Seja onde for
            Tem um jardim
            Onde eu possa ninar uma flor
            Não tem a ver
            Com saudade, tormento ou paixão
            É o sabor de quem pensa ainda em viver
            Os sonhos de verão
            Brotando no chão
            Mil novas canções.



            Composição: (Geraldo Azevedo e Renato Rocha
            Dia Branco - Amelinha e Geraldo Azevedo ao vivo
            http://youtu.be/tjQ5zMkqVl4Se
            Se você vier
            Pro que der e vier comigo
            Eu lhe prometo o sol
            Se hoje o sol sair
            Ou a chuva
            Se a chuva cair
            Se você vier
            Até onde a gente chegar
            Numa praça na beira do mar
            Num pedaço de qualquer lugar
            Nesse dia branco
            Se branco ele for
            Esse tanto esse canto de amor
            Se você quiser e vier
            pro que der e vier comigo
            Composição: Tavito - Ricardo Magno
            (Água e Luz)
            Video clip - http://youtu.be/g0avfGbI39M


            De manhã, acorda pensamento e voa devagar
            Revela o sentimento que se esconde no olhar
            Não tem porque temer se tanta emoção
            Pode falar por nós e ser a nossa voz


            E é assim que eu te sinto perto de mim
            Como a gente quis, ser feliz
            Sem ter mais que explicar a razão (só ser)
            Respirar nosso cheiro de amor, nosso ar
            Nunca mais parar, céu e chão
            Todo dia desejo e a fascinação


            Água a luz, reflexo de uma estrela na beira do mar
            Lágrimas, segredo que se esconde no olhar
            Estou perto de ser bandido ou herói
            Perdido na ilusão dentro do seu coração

            Composição: Herman Torres/Salgado Maranhão
            (Choro da Lua)

            Amelinha
            Não me agrada o sabor da graviola
            Brilhando de fartura na bandeja
            E dada com a mão suja de esmola
            Venho dos matos
            E do fundo das brenhas
            Trago no peito
            Marcas de espinhos
            Trago no corpo
            Cheiro de gardênias
            Com tanto céu aberto pras rapinas
            Não sei se muita gente ainda percebe
            A voz de um simples galo de campina
            Não sei se ainda se vê a luz da noite
            O diamante longe das vitrines
            Brilhando no interior da mina
            Venha da flora
            E do seio da rua
            Trago nas veias planos e futuro
            Trago nos olhos
            O choro da lua


            Calango Da Lacraia
            Composição: Alceu Valença

            Amelinha
            Calango
            Lembro o Calango da Lacraia
            Mocambo
            A voz do morro e da navalha
            Treme-terra meu coração se abala
            Quando ouço seu pandeiro sinto
            O peito repicar
            Vou amar, vou amar
            Calango
            Lembro o Calango da Lacraia
            Candango
            Brasil, Brasília, Niemeyer
            Treme-terra meu coração se abala
            Quando ouço seu pandeiro sinto
            O peito repicar
            E o Brasil vai se encontrar.



            (Acalanto para um punhal) - Robertinho do Recife/Amelinha e Fagner.
            Video clip - http://youtu.be/c_mgH9CUfY8



            (Gemedeira) - Video Clip http://youtu.be/uuDN6YjdBZo
            (Solidão de Amigos) - Video Clip http://youtu.be/w8gyGUzCL8g


            Amelinha
            O canto de Amelinha vem do canto do Ceará. Com sua voz cristalina e interpetação pungente, tem um percurso de respeito na história musical brasileira. Sua música se caracteriza por extrema sensibilidade e delicadeza, mesmo quando aborda temas e rítmos mais pesados, o que sobressai é seu cuidado interpretativo, traduzindo-se em melodiosa sonoridade.
            Embora, originalmente ligada a uma grupo de artistas voltados para a música regional, não se prendeu a esse rótulo, pois transita por caminhos que a tornam uma cantora de música brasileira, sem fronteiras ou limites interpostos por classificações. Seu engajamento estético-político, marcadamente acentuado por um senso de vanguarda, assinala sua obra como uma das mais expressivas da música feita no Brasil contemporâneo.
            Seu primeiro trabalho fonográfico foi produzido por Raimundo Fagner, marcando sua originlidade na forma de cantar o sertão nordestino, agregando sonoridade pop a temas do imaginário interiorano, fazendo reverberar singeleza e sofisticação.
            Em sua trajetória tem sucessos consagrados que atestam sua criação como intérprete que traz para si a composição tornando-se também autora daquilo que canta. Chico Buarque, Jorge Mautner, Gilberto Gil, Alceu Valença, Geraldo Azevedo, Luiz Gonzaga, Luís Ramalho, Tavito, Fausto Nilo, Moraes Moreira, Sueli Costa e Abel Silva são autores que fazem parte de seu repertório, sempre escolhido com sensível critério de bom gosto, sobre o qual alia emoção e técnica, numa simbiose de rara beleza.
            Em sua carreira esteve ao lado de grandes nomes do universo musical como Belchior, Ednardo, Zé Ramalho, Vital Farias, Nando Cordel, Toquinho e Vinícuis de Morais, entre outros, na realização de projetos e turnês de espetáculos.
            Atualmente desenvolve seu trabalho dedicando-se a shows e a registros musicais em projetos especiais, fiel à sua história e à qualidade que sempre imprimiu ao seu trabalho.




                                                   Programa mosaicos - http://youtu.be/UsOf3iv1uy8
            Foto de Geraldo Viola
            Em 1983, quando estava lançando o seu LP “Romance da Lua Lua”, Amelinha concedeu a entrevista que transcrevo abaixo, à repórter Sandra Bittencourt, e foi publicada na revista JB – Suplemento Semanal do Jornal do Brasil.

            “Naquela tarde , no restaurante do Hotel Sol Ipanema, a cantora Amelinha revelava estar num de seus melhores dias: havia dormido muito bem, sem entrar em “culpa” diante dos vários compromissos atuais, e se sentia feliz pelos resultado de seu último LP, “Romance da Lua Lua, lançado recentemente e já a caminho de ser disco de ouro.
            Por outro lado, o estado de espírito em que se encontra vem muito também do preparo que lhe foi exigido para a confecção do novo LP – conforme sugere o título, a cantora se predispôs, durante um mês, a ficar observando o céu estrelado de Fortaleza, tomando banho de lua cheia, curtindo o movimento da noite de lá.

            - Hoje eu me sinto com mais consciência das maravilhas que estão a nosso redor, e mais determinada a fazer as coisas acontecerem. Uma determinação de lutar com coragem e espalhar mais luz do que desânimo. Mais vontade de viver, de ser útil. Nesse disco, cito como grande responsável o produtor Zé Ramalho – que organizou muito minha vida, minha carreira, e compôs também o meu lance musical .

            Para quem não sabe, o produtor Zé Ramalho a quem Amelinha se refere é também seu marido – “mas a gente tem de separar porque dá confusão”- diz ela – “assim como a gente tem de separar as emoções de ser mãe, cantora e mulher”. “Romance da Lua Lua”- cuja música título é uma flaviola em um poema de Garcia Lorca – é o seu quinto LP (antecedido por “Flor da Paisagem”, “Frevo Mulher”, “Porta Secreta” e “Mulher Nova”) e traz como tema, no primeiro lado do disco, canções que falam da lua:

            - O tema lua surgiu porque recebemos muitas fitas com letras sobre o assunto, que, inclusive, já havia sido muito cantado em serestas e carnavais. Juntou-se a isto uma canção composta por Jorge Mautner – “Lá vem São Jorge (Hino de São Jorge) – que ele fez num momento em que estava com um problema de saúde, além das conversas com o Gil, e o fato de eu ser de Câncer, com regente em lua. Tudo isso me fez acreditar que estava no caminho certo.

            Do outro lado do disco, seguindo a essência nordestina, o destaque é para “Seresta Sertaneja”, de Elomar Figueira de Mello, “um compositor que me fez chorar, porque só depois de um ano decidiu dar a música para mim.”
            O essencial é que hoje, aos 32 anos, Amelinha sente-se mais segura e com um nível muito maior de concentração em seu trabalho. “Antes, quando eu entreva em estúdio, tinha de apagar a luz, tomar conhaque, mel, me esconder atrás de um tapume. Agora não, canto no claro e de frente para a cabine de gravação.” Uma revolução consciente, que a acompanha desde o primeiro sucesso, que foi a música “Foi Deus quem fez você” (700 mil compactos vendidos):

            - Naquela época, ao invés de eu ir em frente e esgotar o que o momento me exigia, optei por me recolher, passando dois anos afastada dos compromissos artísticos. Mas foi bom. Foi um período em que fiquei em casa para dar uma “arrumada” na minha cabeça. Meu filho João estava pequeno (hoje com três anos e meio) e isto assentou o período: era a ascensão da carreira junto com o primeiro filho, em apenas dois anos de casada. O incrível é que , depois que tive o João, fiquei com outra cabeça, mais amadurecida e senti de perto aquela coisa de continuação da gente. Na realidade, eu não pensava em ser mãe porque achava que iria deixar de ser filha. E eu sempre gostei de ser filhinha, mimada por minha família.

            Da necessidade de superação desse estado, foi que, aos 20 anos, Amelinha saía de Fortaleza para tentar a vida em São Paulo - “eu queria descobrir quem eu era e como iria me virar sozinha”. Uma mudança que não foi fácil. Em Fortaleza, ela era o “quindim” dos saraus em família e discípula assídua de D. Sílvia – uma irmã salesiana e tia-cantora predileta.

            - Chegando em São Paulo fui para uma república de mulheres, um lugar onde você tem de se virar sozinha. E eu me sentia muito feliz até em ter de lavar minhas roupas porque estava cuidando de mim, no caminho para descobrir minhas potencialidades.

            E foi numa de suas idas a Fortaleza que Amelinha entrou em contato com a turma de cearenses que estava revolucionando a música do lugar. Nomes como Fagner, Belchior, Petrúcio Maia , Ednardo e Brandão.

            - Mas eu estava um pouco em dúvida se encarava ou não a carreira. Achava que o processo poderia ser muito doloroso. Era uma época em que ainda se dizia que era um perigo ser cantora por causa dos “gaviões”. E eu vivia participando dos shows do Fagner que até já estava cansado de me apresentar, e vivia me dizendo – “tá na hora de fazer um show teu”. Daí, quando a coisa é mais forte dentro da gente, não dá pra segurar.
            Através do próprio Fagner, o convite para uma temporada em Punta Del Este e Buenos Aires, em janeiro de 76, ao lado de Toquinho e Vinícius de Moraes – “nesse tempo eu era muito tímida e o Toquinho sempre me dava força dizendo: “cante, bichinha, como você canta na janela!” De volta, alguns meses depois, a gravação do primeiro LP, “Flor da Paisagem”, produzido por Fagner – “me assustaram tanto, que eu só assinei o contrato quando coloquei os pés no estúdio”. E foi em 78, quando decidiu vir morar no Rio, que Amelinha conheceu Zé Ramalho – “eu estava fascinada com o trabalho dele em “Avohai” e fui assisti-lo em um show. Quando nos encontramos no camarim, antes que eu dissesse qualquer coisa, ele pediu pata tocar no meu disco. Éramos tietes um do outro sem nos conhecermos.

            Do encontro até “Frevo Mulher” - que Zé Ramalho compôs especialmente para Amelinha – foi um pulo de amor. Casados há cinco anos, o casal tem dois filhos: João, de três anos e meio, e Maria, atualmente com um ano e meio. Segundo Amelinha, os dois já estão seguindo os passos dos pais, pois o garoto adora fazer a “mise-en-scene” do guitarrista, e curte demais Robertinho de Recife, Gilberto “Viu”, Roberto “Carro” e os “Ôlin Istones”. Maria, por outro lado, não pode ouvir nenhum som que já sai requebrando. Morando na Praia do Futuro, bairro de Fortaleza, atualmente é mais fácil, para Amelinha, dividir-se entre mãe e profissional.

            - À medida que fui vivenciando as coisas fui sacando o tempo para cada uma delas. Nessa correria, o básico de tudo é a organização. Hoje, eu posso estar aqui no Rio e emendar para uma temporada, sem maiores problemas. Minha mãe e minhas tias já estão todas organizadas para cuidar das crianças. Acredito que a idade me tenha trazido o senso de simultaneidade, ao saber me realizar como mãe, mulher e profissional. Como mãe a gente tem de ser mais forte do que antes, para dar segurança aos filhos – e eu gosto desse jogo. Então me sinto num momento de mais domínio de tudo, cantando melhor do que antes, crescendo. E, no meu canto, procuro levar as pessoas a sentir o brilho das coisas, a luz e a esperança. Olhar sempre para cima. E viver ao máximo esse enorme romance com a vida”.

            Cantoras influenciadas por Amelinha
            Pedimos a Pitty que comentasse sobre alguns vinis da sua coleção, que inclui David Bowie,
            o canto de Amelinha influenciou muitas cantoras, principalmente do senario alternativo da musica brasileira conteporania.

            Bob Dylan, Mars Volta, Black Sabbath... e Amelinha. Veja como foi no vídeo abaixo:
            A cantora "Pitty" mostra sua coleção de vinil e fala mais uma vez de sua paixão por "Amelinha"
            Pitty
            Trezinha de Jesus
            Elba Ramalho
            Ceumar
            Teca Calazan
            Rita Ribeiro
            Maria da Paz
            Vanessa da Mata
            Tania Alves
            Emilhinha
            etc...
            A homanagem de 3 cantoras cantando o épico "Mulher Nova"
            Rita Ribeiro, Jussara Silveira, Tereza Cristina


            video

            Amelinha, João do Vale, Chico Buarque, Zé Ramalho, Geraldo Azevedo, Clara Nunes, Nara Leão, Fagner etc...

            Chico Buarque - canta Carcará
            Com João do Vale

            Video Clip - Estrela Miuda - João do Vale e Amelinhahttp


            Uma das vozes referenciais da música cearense, a cantora Amelinha é a próxima na lista Zé Pedro a lançar disco pela Joia Moderna. O novo trabalho está pronto e deve chegar às lojas em outubro. Com o nome Janelas do Brasil, ele vai trazer 13 canções interpretadas com voz e os violões de Dino Darione. No repertório velhos amigos, como Ednardo (Terral), Belchior (Galos, noites e quintais) e Fagner (Asa partida), e novos compositores como Marcelo Jeneci (Felicidade) e Zeca Baleiro (O silêncio). “Eu já vinha exercitando esse Janelas do Brasil, desde 2008 em shows. É uma festa pra mim. Depois das janelas, agora foram as portas que se abriram”, comenta a cantora por telefone.

            Há 18 anos fora do Ceará, atualmente Amelinha mora na região litorânea de Niterói, Rio de Janeiro. Há anos longe dos palcos fortalezenses, ela quebrou este jejum no último Réveillon no show realizado no aterro da Praia de Iracema. “Me chamou atenção do convite (para o show) ser aqui. Fazia tempo que não se encontrava com o grande público e eu percebi que algo diferente, de muito bom, iria acontecer”. Pra ela, esse afastamento é uma consequência dos novos tempos da indústria musical, mas que ela supera como pode. “Eu gravei no analógico, quando os divulgadores e os radialistas tinham autonomia. No meio de toda a minha história, eu fui correndo por fora. Tinha um trabalho consistente que é o que me faz não ter mágoa”.

            Agora, com o lançamento do seu Janelas do Brasil, Amelinha espera reencontrar o público que sempre lhe cobra um trabalho inédito. Seu último disco foi lançado em 2002, Pessoal do Ceará, ao lado de Ednardo e Belchior. Em seguida, ela chegou a gravar algumas coisas, mas desistia de lançar por que não gostava do resultado. Com o convite de Zé Pedro e do produtor Thiago Marques Luiz, ela sentiu um novo fôlego para trabalhar e até já pensa em uma segunda edição do disco. “Depois que decidiu o repertório, pedi um tempo pra internalizar as músicas e fui lá gravar preparadona pra matar a pau. É uma coisa transparente, que tem verdade. Agora eu quero que as pessoas fiquem satisfeitas com o resultado”.
            Coletado: Blog o povo.

            Amelinha participa do programa da cantora Angela Ro Ro


            Galeria de Fotos dos Fãs.Aguardando novas fotos de outros fãs
            Favor enviar para ecolivec3@gmail.com

                                                         
            Fã - (Show em São Paulo - Janeiro 2012)
                Fã - Edu César (Show em São Paulo) 07 e 08 de Janeiro 2012. 
                                        Fã - Jones Soares (Rio de Janeiro) - Niterói
            Ninho
            CESAL ULALIO
            EDU CESAR SHOW SESC PINHEIROS 2013




            Dia Branco - Video Clip Filme "A Maquina" http://youtu.be/7jGpmcRqiXk
          video




                                                               Amelinha - Divindade
            Elba, Marinês e Amelinha.
            AS 3 MAIORES INTERPRETES DA MUSICA NORDESTINA.
            Roberto, Biafra, Simone, Djavan e Amelinha.

                                                 Amelinha e Zé Ramalho

            Amelinha, Ednardo e Belchior